segunda-feira, 15 de abril de 2013

Rabanadas Finas e Rabanadas Pobres

Comércio do Porto, 27 de Dezembro de 1936

Rabanadas Finas
Rabanadas Pobres

Toma-se um pão próprio para rabanas, ou na falta dele, pão de fôrma e corta-se em fatias de um centímetro de grossura.
Ponha-se ao lume a ferver um quartilho de leite adoçado, e a que se tenha juntado um pau de canela.
Mal o leite ferva deita-se sobre as fatias de pão que se têm disposto numa vazilha funda, de maneira que fiquem cobertas e deixem-se amolecer durante uns dez minutos, passados os quais se retiram as rabanadas, com todo o cuidado, para outra vazilha.
Em seguida, passam-se por ovos batidos e fritam-se em bastante azeite a ferver, depois escorrem-se e servem-se enquanto quentes, com açúcar e canela, e depois de frias com calda de açúcar.

Há uma outra receita em quase tudo parecida com este e vulgarizada com o nome de rabanadas pobres em que a diferença está apenas em substituir o leite por água com açúcar, canela e casca de limão, procedendo-se em tudo o mais como já ficou dito.

E já agora, uma terceira alternativa. A minha Avó Eduarda costumava fazer as rabanadas não com leite ou água mas com um bom chá verde. Ou seja, em vez de mergulhar o pão em leite ou água, fazia-o em chá verde... não seria uma rabanada fina, porém não o era pobre... remediada, talvez.

ATENÇÃO: Um quartilho corresponde sensivelmente a meio litro. 

8 comentários:

  1. Exactamente como a minha avó fazia (a versão pobre) que por serem tão boas, continuam a ser feitas pelas filhas e netas!
    beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São óptimas. eu também prefiro. Até porque com leite ficam muito pesadas e enjoativas. A Avó a certa altura é que começa a fazer com chá verde...não sei se foi por autocriação se foi alguém que lhe deu essa dica. E ficam realmente muito boas.

      Eliminar
  2. A minha avó sempre fez as rabanadas finas... adoro!
    Um prazer imenso ver estas fantásticas receitas.
    Bj
    Lita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom Lita, obrigado... de inicio estava um pouco apreeensivo por estar a retirar receitas de livros. Mas não deixam de ser os livros que as Avós usavam e que são clássicos da culinária, nomeadamente o do Bento da Maia.
      E esta coluna do Comércio do Porto não deixa também de ter a sua graça... é o espelho de uma época...

      Eliminar
  3. às pobres a minha tia-avó chamava-lhes constipadas . e se espirravam quando se encontravam com o óleo quente . obrigado por me ter recordado de uma coisa há tanto tempo esquecida .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, amigo Diogo... tem de se ter um cuidado redobrado. E constipadas é um belissimo nome.

      Eliminar
  4. Parabéns pelo excelente blog e pela recolha de receitas antigas, algumas caídas em desuso, infelizmente. Obrigada.

    ResponderEliminar
  5. Parabéns pelo excelente blog e pela recolha de receitas antigas, algumas caídas em desuso, infelizmente. Obrigada.

    ResponderEliminar