sábado, 23 de setembro de 2017

Bolo de Figos



Um homem não é de ferro... vê esta receita de Bolo de Figos do maravilhoso blog da Guida Cândido e entra em trabalhos. Mas compensou. Não ficou lindo?
Vejam aqui a receita e experimentem... não se vão arrepender: http://www.panelasemdepressao.com/2017/09/22/bolo-de-figos-para-receber-o-outono/

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

(Massa) Choux

Choux

Meia chávena de manteiga derretida em 1 chávena de água. Logo que levanta fervura deita-se meia chávena de farinha mexendo sempre. Em arrefecendo deitam-se 3 ovos inteiros, 1 de cada vez e bate-se bem. Vão ao forno forte em latas sacas e põe-se com 2 colheres no tamanho que se quiser.
Depois de frios recheiam-se com creme chantilly, de baunilha ou de chocolate e polvilham-se com açúcar.

domingo, 17 de setembro de 2017

Sopa de Azedas e Sopa de Camarão

Carlos Bento da Maia, Tratado Completo de Cozinha e de Copa,
 edição de 1904, pág. 417

Sopa de Azedas

Lavam-se as azedas, cozem-se, passam-se por uma peneira ou passador fino, junta-se-lhe caldo de carne, queijo ralado, sumo de limão e lança-se a mistura resultante e fervente sobre miolo de pão torrado.

Sopa de Camarão 

Coze-se camarão e pisam-se as cabeças, caudas e cascas, no almofariz, molhando-se com o caldo respectivo. O polme resultante leva-se ao lume com o resto do caldo, um tomate maduro, cabeças de nabos e cenouras cortadas miúdas e, em estando tudo cozido, passa-se por um passador, depois do que o novo polme vai outra vez ao lume, juntando-se-lhe os corpos dos camarões, sal, pimenta, algum vinho branco e água suficiente, lançando-se o caldo formado sobre o pão frio ou torrado, em bocadinhos, e servindo-se em seguida.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Antes que corras, olha o que comes - notas técnicas por Salazar Carreira

Para ler a notícia clique no botão direito do seu rato 
e depois seleccione "ver imagem".
 
Uma curiosidade que nos chega pela publicação desportiva Stadium, N.º 67, de 15 Março 1944 - Atletismo e o "carregar de baterias".

Doce de Ovos (rápido)

Semana Portuguesa: Revista de Informação e Crítica. 03 de Abril de 1933, Nº 9

Doce de Ovos
(Rápido)


225 gr. de açúcar, 7 gemas de ovos e meia chávena de leite.
Ligam-se as gemas com o açúcar e depois de ligadas deita-se-lhe o leite e vai ao lume mexendo-se sempre sem parar. Quando principia a engrossar está pronto. 

domingo, 10 de setembro de 2017

Tigelada

Teixeira, Vasco A. Valadares: Comidas e Práticas do Sistema Alimentar na Região do Fundão,
Edições Colibri, 2005 - pág. 373

Tigelada


 3 ovos; 1 litro de leite; 250 g. de açúcar; 1 colher de sopa de farinha; 1 colher de chá de canela.

Bater bem os ovos, o açúcar e a canela.
Misturar o leite e a farinha.
Untar com azeite uma tigela de barro vidrado e juntar-lhe o preparado.
Levar ao forno a cozer - uma hora.

Existem outras receitas de Tigelada no blog. Procure na barra-índice do blog.

Comidas e Práticas do Sistema Alimentar na Região do Fundão


E, por vezes, as boas surpresas acontecem. Esta tese de Vasco A. Valadares Teixeira - Comidas e Práticas do Sistema Alimentar na Região do Fundão, Edições Colibri, 2005 - é muito, muito interessante. Além de uma excelente "viagem" pela memória material e imaterial pela Cozinha (cap. I) e Manjares e Comensalidades (cap. II) na região do Fundão, ainda somos presenteados por uma colectânea significativa de receitas que compreende "pão, colações e merendas, sopas, pratos, doces e fritos, enchidos e condimentos e molhos".
Era tão bom ver replicado este género de estudo para todo o país. Uma delicia.
O livro pode ser adquirido nas Edições Colibri

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Bombons de Café

Clara T. Santos: A Doceira Familiar. Empresa Literária Universal, 1954 - pág. 39
Bombons de Café

Açúcar - 250 grs.
Manteiga fresca - 120 grs.
Nata - 1 dcl.
Café torrado e moído - 20 grs.
Azeite do mais fino - q.b.

Com cerca de dois e meio decilitros de água fervente, prepara-se uma infusão de café, na qual, logo que acaba de se ferver, mexendo-a constantemente; depois, junta-se a nata e continua a mexer-se, até que se chegue a ponto de rebuçado, isto é, até que um bocadinho de massa deitando em água fria endureça rapidamente.
Chegado a este ponto, despeja-se a massa sobre um plano de mármore polido e convenientemente untado com azeite, tendo colocado sobre esse plano réguas igualmente untadas, para que a massa se espalhe numa superfície regular e se possa cortar em pequeninos prismas que constituem os bombons.

Observações: Aconselham alguns tratadistas untar os planos de mármore para este trabalho e análogos com óleo de amêndoas doces; mas, em Portugal, parece-nos que se não fabrica óleo de amêndoas doces e o que nos vem do estrangeiro é geralmente falsificado; por isso indicamos o azeite muito fino, que nenhum sabor comunica aos doces.