sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Ementa para o Jantar do Ano Novo - Sugestão Laura Santos

 
Laura Santos, A Mulher na Sala e na Cozinha, Editorial Lavores, 
11. Edição, s.d., págs. 60 e 61
 
Novo Ano - novas esperanças que despontam, novos planos para o futuro. Passou um ano, de melhores ou piores recordações - mais feliz para uns, menos risonho para outros. O que vai principiar, que nos trará de bom, que nos reservará de mau?
Bem, o melhor será recebê-lo com optimismo, procurando, da nossa parte, pelo menos, principiá-lo com alegria e com a melhor das boas disposições. Pode muito bem ser que o hábito do primeiro dia faça lei...
Tem a leitora algumas visitas para o jantar? Ou festeja o dia do convívio íntimo da família?
De qualquer forma, aqui lhe deixamos uma ementa escolhida e que, sem incluir luxos ou superfluidades, satisfará em absoluto, cremos.
 
Laura Santos, A Mulher na Sala e na Cozinha, Editorial Lavores, 
11. Edição, s.d., pág.74
 
Canja de Galinha
 
Numa panela com água, deita-se uma talhada de presunto e tempera-se de sal. Quando ferver, deita-se dentro a galinha mas não se deixa cozer completamente, pois, geralmente, a galinha aproveita-se para outra iguaria.
Quando o caldo estiver apurado, deita-se uma pequena porção de arroz e os miúdos de galinha partidos em pedaços pequenos.
 
Laura Santos, A Mulher na Sala e na Cozinha, Editorial Lavores, 
11. Edição, s.d., pág. 103
 
Quadrados de Peixe
 
Batem-se seis gemas de ovo com seis colheres de farinha, duas colherzinhas de fermento e uma chávena de leite; quando está tudo bem batido, juntam-se as claras batidas em castelo e vai ao forno em tabuleiro untado de manteiga.
Depois de cozido, tira-se do tabuleiro, corta-se ao meio e depois duas vezes a atravessar, fazendo, assim, seis quadrados; abre-se ao meio cada quadrado e enche-se de creme de peixe. Dispõe-se numa travessa, formando losangos; à volta, leva esparregado; nos quadrados e nos intervalos dos losangos, deita-se o seguinte molho:
Leva-se ao lume, a derreter, duas colheres de manteiga; quando começa a alourar, deita-se uma colherzinha de farinha, deixa-se ferver e junta-se um pouco de leite.
 
 
 
 Laura Santos, A Mulher na Sala e na Cozinha, Editorial Lavores, 
11. Edição, s.d., pág. 125

Galinha Mulata

Quando se mata uma galinha, apara-se o sangue para um tigela na qual se põem algumas gotas de vinagre. Guisa-se a galinha, quando estiver quase pronta junta-se-lhe o sangue que se deixa ferver.
Num prato coberto têm-se fatias de pão muito torradinhas, deita-se-lhes para dentro a galinha, ensopando bem o pão no molho da cabidela.
 
 
 Laura Santos, A Mulher na Sala e na Cozinha, Editorial Lavores, 
11. Edição, s.d., pág. 291
 
Mousse de Chocolate
(Outra Receita)
 
 
Derretem-se 125 gramas de manteiga, juntam-se 100 gramas de chocolate em pó que se desfaz levemente, cinco colheres de sopa de açúcar (uma por cada vez), retira-se do lume e deixa-se arrefecer um pouco.
Juntam-se três a quatro gemas de ovos (uma por cada vez) e leva-se novamente ao lume, só o tempo suficiente para cozer as gemas.
Depois de se tirar do lume, deitam-se quatro ou cinco claras batidas em neve.
Serve-se em tacinhas. 
 
 
Laura Santos, A Mulher na Sala e na Cozinha, Editorial Lavores, 
11. Edição, s.d., pág. 226
 
Travesseiro de Noiva
 
 Batem-se, com seis gemas, 300 gramas de açúcar e, em seguida, seis claras batidas em castelo, juntando-se-lhes colher e meia das de sopa de farinha Maizena.
Bate-se bem batido e vai ao forno em tabuleiro untado de manteiga.
Depois de cozido, desenforma-se para cima de um papel fino coberto de açúcar pilé e enrola-se.

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Bolo de Gema


Carta Gastronómica da Região de Lafões. 2016. pág. 153

Bolo de Gema

6 ovos, uma pitada de sal, 500 gr. de açúcar e 600 gr. de farinha.
Bater os ovos com o açúcar. Quando a massa fizer olhinhos esbranquiçados, deve juntar a farinha delicadamente.
Num tabuleiro, com uma colher, colocar a massa em pequenas bolas e levar ao forno a dourar.

Carta Gastronómica da Região de Lafões








Já quase a terminar o ano, eis que surge um “monumento” literário da maior importância: a Carta Gastronómica da Região de Lafões, editada pela Confraria dos Gastrónomos da Região de Lafões. O livro conta com textos de Carlos Rodrigues, Jorge Adolfo de Meneses Marques e ricamente ilustrado com fotografias de Homem Cardoso e Jorge Adolfo de Meneses Marques.

Ao longo de quase 180 páginas vamos desbravando a história – em todas as suas vertentes: económica, política, social, mental e cultural (onde entra, claro, a gastronomia) – do território lafonense e vamos, receita após receita, descobrir uma parte do que tanto une os habitantes e visitantes desta Terra de Lafões.

Eu gostaria muito que este livro servisse, de uma vez por todas, como pontapé de saída para a união de interesses dos diversos concelhos que compõem Lafões – São Pedro do Sul, Vouzela e Oliveira de Frades – e que estes, finalmente, começassem a agir em sintonia, lado a lado, para a dignificação e elevação da região.

As Terras de Lafões têm uma identidade própria que é importante preservar. Séculos de denominadores comuns, de pertença, correm o risco de desaparecer ou tornarem-se invisíveis aos mais distraídos, se os poderes municipais não trabalharem em conjunto, criando uma imagem uniforme e um espírito de coesão entre todos. É importante perceber, como bem me chamaram a atenção, que LAFÕES é uma marca distintiva, nobre. Que interessa que Oliveira de Frades seja a Capital do Frango do Campo e Vouzela seja a Capital da Vitela de Lafões (e São Pedro do Sul Capital sabe Deus do quê), se depois estas “capitais” -  forçadas, incaracterísticas e parolas - apenas pensam no seu município e apenas se interessam pelo seu Frango e pela sua Vitela.
  
Nesta antiga Região, o ponto de interesse devia ser sempre Lafões e a sua dignificação: cultural, histórica, monumental, ambiental e gastronómica (mas, para isso, é preciso estudar, investigar, ler, aprender, “escavar”).

A união faz a força e a união de esforços das três Câmaras Municipais de Lafões criaria um grande espaço turístico – infraestruturas não faltam – capaz de atrair gente de Portugal inteiro e da Europa. A união traria emprego, riqueza e projecção a uma das zonas mais belas de Portugal.

Este livro – Carta Gastronómica da Região de Lafões – é um excelente inicio. Que não se fique por aqui o estudo e registo das especificidades e singularidades de uma tão nobre e fascinante Região.

domingo, 25 de dezembro de 2016

PORQUE COMEMOS BACALHAU NO NATAL

Por que se come peru no Natal? E o bacalhau, por que se tornou tradição?
Por: Catarina Guerreiro

INVESTIGADORES GARANTEM QUE É ASSIM HÁ 500 ANOS E QUE O PRIMEIRO É UM SÍMBOLO DO PODER DOS NOBRES E O SEGUNDO RESULTADO DA PENITÊNCIA IMPOSTA PELA IGREJA. AS RABANADAS EVOCAM NASCIMENTOS, O BOLO‑REI IMITA UMA SOBREMESA FRANCESA E OS OUTROS DOCES REVELAM A EXUBERÂNCIA DA CONSOADA.

AS PRAÇAS DE LISBOA enchiam‑se de bandos de perus que chegavam à cidade naquela altura. Os vendedores, usando canas com mais de um metro e meio de comprimento, mantinham as aves todas juntas, enquanto caminhavam pelas ruas da capital. Seriam depois vendidas para a consoada. Era dezembro de 1801 e o padre protestante sueco Carl Israel Ruders, que residiu em Portugal entre 1789 e 1802, descrevia assim a vida em Lisboa durante o Natal, nas cartas que publicou mais tarde no livro Viagem em Portugal.

O peru era naquele tempo, como ainda é hoje, um dos pratos com destaque na mesa. Uma tradição que, segundo os historiadores, terá começado ainda antes, no século XVI, altura em que esta ave exótica chegou a Portugal vinda das Américas, na época dos Descobrimentos, através dos castelhanos. Desde aí, conseguiu impor-se e sobreviveu por 500 anos. «É, sem dúvida, a tradição de Natal mais antiga da consoada como a concebemos», refere Maria José Azevedo Costa, coordenadora do mestrado de Alimentação, Fontes, Cultura e Sociedade da Faculdade de Coimbra – o primeiro e único existente nas universidades do país.

Tudo começou, explica, por esta ave ser vista pela nobreza com um «sinal de poder» e «de ostentação», passando a usá-la em todos os banquetes e festas, incluindo o Natal. «Inicialmente era  a refeição festiva do clero, da nobreza e da alta burguesia por ser uma ave de grande aparato. A tradição foi-se mantendo e alargando», explica José Pedro Lima Reis, autor do livro Algumas Notas para a História da Alimentação em Portugal. E garante: «O peru entrou na consoada através da mesa dos ricos.» Há relatos de que foi servido num banquete oferecido em 1536 por D. João III e subsistem várias provas de que o gosto das elites portuguesas e espanholas se espalhou rapidamente depois pela Europa. «Em 1549, o cabido de Notre-Dame ofereceu a Catarina de Médicis um banquete em que havia, entre outros pratos, sete perus adultos e setenta perus pequenos. E, por volta de 1600, William Shakespeare menciona o peru na sua peça Noite de Reis para definir uma dos personagens», recorrendo a imagem do animal que impõe respeito inchando o corpo e eriçando as penas – e que entre os portugueses era conhecido como peru por se achar que era oriundo desse país.

Este prato tornou-se de tal forma popular nas classes mais altas que no primeiro livro de culinária a ser impresso em Portugal, em 1680, do cozinheiro Domingues Rodrigues, da Casa Real de Portugal, no tempo de D. Pedro II, há mais de vinte receitas para o cozinhar de forma diferente. Podia ser assado, recheado, cozido, guisado, picado e transformado em almôndegas e até misturado em arroz. Hoje, segundo a tradição, deve ser assado e recheado.

«Mas naqueles tempos o peru só era consumido depois da Missa do Galo», conta Virgílio Nogueiro Gomes, um dos principais historiadores da alimentação do país, explicando que existiam regras rígidas da Igreja que tinham muita influência nos hábitos alimentares. «Nessa altura, além da Quaresma, a Igreja impunha jejum de carnes nos dias antes do Natal, o que só acabava depois da missa, à meia-noite.» Foi por isso, aliás, que o bacalhau ganhou terreno na consoada, acrescenta.

Caso contrário, os nobres só comiam peixe por obrigação, explica, por seu lado, Guida Cândido, investigadora e autora do livro Cinco Séculos à Mesa. Os registos de despesas das casas reais e as receitas da época são reveladores. No livro de cozinha que a infanta D. Maria de Portugal levou consigo para Itália em 1566, quando se casou com o nobre Alexandre Farnésio, duque de Parma, encontra-se apenas uma receita de peixe: de lampreia. «Tudo o resto são carnes», sublinha Guida Cândido, explicando que o manuscrito junta receitas do século XVI e possivelmente mais antigas e está numa biblioteca italiana.

Também através de uma análise à folha de gastos da Casa da Rainha Catarina de Áustria – mulher de D. João III – durante o mês de maio de 1571, percebe-se que se comia muito mais carne e que o peixe – como salmonete, rodovalho, ostras, entre outros – só era consumido por ter de se respeitar a penitência. «Até ao início do século XX, as marcas da religião na alimentação eram muito fortes e tinham muita influência, garante Guida Cândido.

FOI ESSA NECESSIDADE de respeitar as regras católicas que transformou o bacalhau num dos pratos principais desta festa cristã. «A refeição do jantar do dia 24 era a última do período de jejum. Comia-se peixe, à meia-noite ia-se à missa e depois regressava-se a casa para celebrar com carne e doces», refere Virgílio Nogueiro Gomes. Além disso, diz, «como em dezembro era difícil os barcos partirem para a pesca e obter peixe fresco, o bacalhau revelou-se o produto ideal para a maioria da população, pobre, cumprir em todo o país a obrigação de jejum». E foi assim, garante, que «se fixou a tradição do bacalhau na noite de consoada». Uma tradição que acredita ter começado no «Minho, onde o bacalhau chegava primeiro».

Foi essa abstinência exigida pela Igreja que levou «D. Sebastião, quando se deslocou a Castela por altura do Natal para se encontrar com o seu tio Filipe II de Espanha, a oferecer-lhe um banquete apenas constituído por peixes e mariscos para mostrar a sua forte religiosidade», diz o investigador. Ao contrário do peru, o bacalhau entrou na tradição pelos mais pobres.

«É mais acessível», diz Maria José Azevedo, acrescentando que a época do ano em que o Natal é comemorado em Portugal também facilitou a escolha deste peixe como alimento preferido: «É um prato de clima frio que é servido bem quente, com características que fazem parte do que é a consoada, que significa consolo, regalo.» Este peixe resistiu e hoje, cinco séculos depois, ainda é o símbolo do Natal.

Virgílio Gomes vai mais longe e garante que já há notícias de que o bacalhau era consumido no país no século XIV, admitindo que apenas passe a ser associado à consoada dois séculos depois. A falta de documentos tem dificultado o trabalho dos historiadores, que não conseguem datar com rigor o início de algumas das atuais tradições de Natal, nem saber com precisão por que razão foram escolhidos pelos antepassados para estar na mesa da consoada. Mas não há duvida, garantem, de que o peru e o bacalhau são consumidos desde o século XVI e que um era sinal de poder e o outro de penitência. «Mas a simbologia do bacalhau está também associada ao conceito de saudade da diáspora portuguesa», diz Virgílio Gomes, que em tempos encontrou, numa faculdade de Roma, um texto que associava o conceito de saudade da terra natal dos portugueses a este peixe protagonista da consoada nacional.

No entanto, lembra Guida Cândido, só a partir do século XIX ou XX se tornou um alimento com estatuto mais elevado. Durante muito tempo foi um prato sem grande prestígio, que era até consumido pelos «presidiários».

Hoje, as várias classes sociais consomem o conhecido «bacalhau com todos». «Antes comia-se só com couves, legumes ou pão. As batatas só surgem no século XIX», refere Maria José Azevedo Costa, explicando que, por não haver batata, as carnes eram muitas vezes acompanhadas de castanhas, o que levou a que hoje muitos dos recheios dos perus integrem este produto.

Na atualidade, porém, há quem substitua o bacalhau pelo polvo, essencialmente no Norte do país. «E no Sul, por serem menos religiosos, a questão do jejum não está tão enraizada e há quem opte até pelo porco», refere Guida Cândido. Ou quem substitua o peru pelo capão.

CERTO É QUE, NESTA ÉPOCA DO ANO, não há mesa que não tenha bolo-rei. «Foi uma tradição herdada dos franceses», desvenda Virgílio Gomes. Em Portugal, o primeiro bolo-rei surgiu em 1875, quando Baltazar Júnior, dono da Confeitaria Nacional, adaptou a receita da galette dês rois, um famoso bolo francês que terá surgido em França no século XVII, no tempo de Luís XIV.

«Desde o dia em que Baltazar Júnior o fabricou que a receita se manteve inalterada», garante o investigador gastronómico, acrescentando que nos primeiros anos «o bolo era apenas confecionado na época natalícia, transportando para o Natal português uma tradição francesa segundo a qual se comia este bolo no dia 6 de janeiro para comemorar a visita dos três Reis Magos ao Menino Jesus, sendo agalette dês rois a representação dos presentes oferecidos por eles: a côdea simboliza o ouro; os frutos cristalizados e secos representam a mirra e o aroma do bolo simboliza o incenso. Entre os portugueses passou antes a ser consumido durante o Natal, por ser nesses dias que se preparavam as melhores refeições e se trocavam os presentes. Nessa altura, o bolo já tinha brinde e fava, que hoje desapareceram.

A ajudar ao sucesso do bolo terá estado o rei D. Fernando II, que terá gostado muito da receita da Confeitaria, fornecedora da Casa Real. Com a proclamação da República, em 1910, este bolo chegou a estar em risco por conter a palavra «rei» e muitos passaram até a chamar-lhe bolo de Natal. Mas resistiu, recuperou o nome e hoje, apesar de ter concorrentes – como o bolo-rainha, só com frutos secos e sem frutos cristalizados, ou o bolo-rei escangalhado, com frutos secos e doce de gila – é um dos produtos mais associados a esta festa cristã.

Já as rabanadas, ou fatias douradas, uma das mais famosas sobremesas natalícias, começaram por ser um alimento que se dava às mulheres depois de terem filhos.
«Não sabemos a sua origem, mas em Espanha, por exemplo, já constam no receituário desde 1607 com a designação de rabanadas ou de torrijas", adianta Virgílio Nogueiro Gomes. Sabe-se, porém, que segundo a tradição devia ser dado «às mães que tinham acabado de parir, para ganharem forças e serem bem alimentadas».

Nos vários relatos históricos, as rabanadas são associadas à época natalícia. «Ora, se para nós era um alimento obrigatório para as parturientes e a noite de Natal celebra o nascimento de Jesus, talvez por isso elas se associaram a consoada», considera o investigador em alimentação e autor do livro Doces da Nossa Vida, em que percorre a história da doçaria tradicional portuguesa.

Devido à sua função de fortalecer as mães, inicialmente as rabanadas nem eram uma sobremesa. Mas foram-se instalando e transformando num dos símbolos gastronómicos desta altura do ano. Apenas sofreram algumas mudanças. «Antes eram cozinhadas em calda de açúcar e hoje, depois de embebidas em leite e ovo, são fritas em azeite ou óleo», descreve Guida Cândido, recordando que foram os portugueses que levaram esta receita para o Brasil, onde ficaram conhecidas como «paridas».

QUANDO SE PREPARAVA O NATAL no Mosteiro de Tibães, em Braga, os monges encomendavam como sempre os doces a freiras e outras mulheres, muitas vezes até enviando-lhes os ingredientes. No final do ano de 1766, um registo das compras e despesas da instituição revela uma novidade daquele século em relação aos anteriores: os sonhos – feitos com farinha, ovos, manteiga, açúcar e canela. Nessa data, descreve Anabela Ramos no estudo Os Doces no Tempo Monástico de Tibães, o homem responsável pelas contas do mosteiro refere ter encomendado 354 sonhos e dado, para isso, dinheiro para 150 ovos e outro tanto para os restantes ingredientes.

As próprias constituições monásticas, refere a autora, permitiam que se ceasse e se consumissem «doces na consoada, último dia do Advento». E seguiam-se depois três semanas em que na ementa abundavam sobremesas: arroz-doce, pão-de-ló, cavacas, confeitos maçapães, morgados, ginetes, queijadas e talhadas e a aletria, entre outros.

«Toda a doçaria popular usada no Natal faz parte da exuberância festiva com que em Portugal se celebravam as festas de origem religiosa», diz Virgílio Nogueiro Gomes, lembrando que entre nós «os doces sempre foram símbolos de alegria e às vezes de ostentação». É o caso das filhós, das quais já há registos no século XVII. Eram feitas com fatias de pão passadas por leite, ovos e açúcar, fritas em manteiga e polvilhadas com canela. Hoje sucedem-se receitas diferentes de norte a sul. «Os portugueses gostam de celebrar com doces, herança dos mouros que aqui viveram», conclui Nogueiro Gomes.

Na consoada há ainda pinhões, amêndoas e uma variedade de outros alimentos. Mas se antigamente praticamente tudo o que estava em cima da mesa de Natal era resultado da época do ano em que se comemora esta festa, hoje isso mudou. «Agora, até há melão em dezembro», constata Maria José Azevedo Costa. Uma mudança que surge da evolução na forma de conservar os alimentos, e que, segundo os investigadores, pode vir mudar algumas tradições. Mas, por enquanto, a tradição ainda e o que era.



Leia mais: Porque comemos bacalhau na ceia de Natal http://www.noticiasmagazine.pt/2016/porque-comemos-bacalhau-na-ceia-de-natal/#ixzz4TtQZdR4m 

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

And the winner is...

Foi com grande alegria que a página No Mundo de Luísa e a SILAMPOS escolheram a receita de Pudim de Ovos, sobremesa ex-libris familiar já conhecido de todos os que por aqui passam, como vencedora num concurso de receitas natalícias.

De facto, este é um Pudim que não pode faltar na mesa de Consoada... e é tão simples (como simples são as coisas boas da vida).

Ora vejam lá se o prémio não é lindo!!!

http://shop.silampos.pt/catalogo/detalhes_produto_s2.php?bt=A&cat=36E&tp=10&id=16535&sessao=1

Adoro o design. Cliquem na imagem e podem ver as especificações todas desta caçarola.





Aqui fica o anúncio e de novo a receita vencedora.

Bem-haja à Luísa Oliveira e à Silampos por este mimo de Natal.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

FESTAS FELIZES E VOTOS DE UMA CONSOADA RICA DE AMOR E PAZ

Adoração dos Magos, Domingos Sequeira - Museu Nacional de Arte Antiga

E é com este quadro de Domingos Sequeira - A Adoração dos Magos - que foi, indiscutivelmente, o grande movimento cultural do ano e que simbolizou, durante meses, aquilo que é o verdadeiro espírito de Natal: a alegria, a união a uma causa, a partilha, a beleza e a generosidade. Graças a este quadro, graças à iniciativa do Museu Nacional de Arte Antiga, vibrámos todos e tudo fizemos para, também nós, adorarmos  com os Magos, o Menino Jesus de Domingos Sequeira.

Desta forma, envio a todos os leitores do Blog As Receitas da Avó Helena e da Avó Eduarda, os desejos de um Natal muito feliz, em harmonia familiar e alegria na partilha, e que a Consoada seja, para todos, a noite perfeita para novos recomeços, para renascermos no nascer de Jesus.

Bem-haja por mais um ano em que me acompanharam nestas lides gastronómicas. Que em 2017 continuemos, neste espírito de partilha e convívio.

Como é habitual, aqui vos deixo uma proposta muito resumida de iguarias para a vossa Ceia de Natal (esta listagem não invalida uma leitura mais atenta do índice alfabético de entradas do Blog).

Receitas de Natal


Vinho de Laranja

O Livro da Mulher: Revista Illustrada de Conhecimentos Úteis: 
 Tomo 7 / Sem data - Série Biblioteca do Povo, pág. 487

Vinho de Laranja

Tomam-se laranjas de boa qualidade, na proporção da quantidade de vinho que se quer fabricar, espremem-se numa vasilha de um coador, havendo cuidado em não deixar a semente, e junta-se depois 500 gramas de açúcar branco, para cada 5 litros de líquido que se obtiver.
Litro e meio de água comum para a mesma porção de liquido.
Em seguida engarrafa-se bem e deixa-se fermentar. 

sábado, 10 de dezembro de 2016

Caldo Verde e Arroz de Bacalhau em Tempo de Guerra


Um pequeno livro de cozinha que achei muito curioso. São cem conjuntos de receitas de Sopa e Prato para serem confeccionados de forma simples, barata e rápida. Os doces estão completamente excluídos desta publicação. Cozinha imaginativa, de escassos produtos mas, nem assim, menos apetitosos. 
Este livrinho faz, ao mesmo tempo, publicidade a um tipo de fogão que cozinharia sem combustível. É o fogão norueguês.

Veja-se o que diz a introdução e a contra-capa do livro:


Esta imagem foi retirada do site Garfadas On Line 
(visitem-no AQUI para saberem mais sobre este fogão)

100 Menús Económicos para cozinhar durante a Guerra - Sopa e 1 Prato - Refeições Práticas. Ana Maria. Empresa Literária Universal - Lisboa. s/d

Como amostra, aqui vos deixo um dos menús compostos por Sopa e 1 Prato...
100 Menús Económicos para cozinhar durante a Guerra - Sopa e 1 Prato - Refeições Práticas. 
Ana Maria. Empresa Literária Universal - Lisboa. s/d - pg. 9


Caldo Verde

Cozem.se as batatas em água e sal, passam-se pelo passador, quando bem cozidas, deita-se o azeite que baste e couve galega cortada fininha. Dá-se uma fervura e serve-se logo.

Arroz de Bacalhau

Este arroz para ser mais económico faz-se da seguinte maneira: Coze-se uma posta de bacalhau, que se esmaga no almofariz até ficar em fios. Refoga-se então muito bem, junta-se a água da cozedura do bacalhau, acrescenta-se água se for preciso e quando ferver deita-se o arroz. Quando cozido está pronto.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Livro de Saberes e Sabores: vivências e saberes de utentes do Centro de Dia


Uma nova aquisição: Livro de Saberes e Sabores - vivências e saberes de utentes do Centro de Dia, coligido e organizado por Maria do Carmo Miguel e Margarida Sarmento Pires. Edição Paróquia do Campo Grande, Lisboa, 2006. Pref. Padre Victor Feytor Pinto.

Gosto destes livros e destas compilações. No fundo, não são mais do que recolhas e compilações de receitas de outras "Avós", de outros modos de fazer aquilo que já sabemos, eventualmente, fazer. Mas por vezes trazem surpresas, coisas que desconhecemos, truques que não imaginávamos. Este livro, até traz equivalências de pesos e medidas e um generoso dicionário de termos de cozinha e doçaria, e de artes culinárias.

Foi uma agradável surpresa. Custa 2 euros e está à venda no Centro Paroquial da Igreja do Campo Grande.

Pão de Ló de Coimbra - Fotoreportagem

 Partem-se os 7 ovos, separando cuidadosamente as gemas das claras.

 Às gemas junta-se um pouco de sal fino

 e os 250 gr. de açúcar e batem-se depois muito bem.

 As claras batem-se em castelo

 e depois juntam-se às gemas, 

 deitando nessa ocasião os 150 grs. de farinha de trigo fina, 
continuando a bater muito bem

 e deitando a massa em forma bem untada com manteiga, 
na qual vai logo para o forno, cujo calor deve ser moderado
 [180º - 200º graus]. 

Faz-se um chá verde e já está... 
com marmelada ou geleia fica o máximo.

E foi assim que passei o anterior Sábado diluviano... experimente e diga-me o que achou. Cá em casa fez sucesso, entre miúdos e graúdos. Ficou altíssimo, fofo e super saboroso.

Veja a receita utilizada de Pão de Ló de Coimbra AQUI.