sexta-feira, 18 de março de 2016

Toucinho do Céu (do Convento de Odivelas)


Toucinho do Céu
(do Convento de Odivelas)

Levam-se 500 gr. de açúcar a ponto de espadana e junta-se 125 gr. de amêndoas peladas e moídas, 125 de cidra ralada, 20 gemas de ovos bem batidas e 1 colher (de café) de canela.
Unta-se bem uma forma lisa, polvilha-se com bastante açúcar, e deita-se dentro a massa e leva-se a forno brando.

Bem Viver Boa Mesa - págs. 42 a 49

Bem Viver Boa Mesa - págs. 42 e 43
Bem Viver Boa Mesa - págs. 44 e 45
Bem Viver Boa Mesa - págs. 46 e 47
Bem Viver Boa Mesa - págs. 48 e 49

Índice de Receitas de Doces

- Pão de Noz (continuado do publicação anterior)
- Pudim de Canela
- Bombe Pralinée

Índice de Cocktails

- Alexandra
- Adonis
- Alaska
- Bacardi
- Chalterley
- Tomate-Cocktail
- Gin-Fizz
- Side-Car
- White Lady
- Bronse
- Porto Flip
- Martini
- Ketchup

Para consultar todas as páginas digitalizadas da revista Bem Viver - Boa Mesa, clique em:
- Sumário

quarta-feira, 9 de março de 2016

Sans Rival

Doces e Cosinhados, de Isalita, Centro Tipográfico Colonial, 1925, págs. 206/207


Sans Rival

Batem-se 9 claras bem duras. Tem-se 320 gramas de amêndoas descascadas de véspera, que se deixam num canto do fogão para ficarem bem secas. Passam-se estas pela máquina, depois pisam-se com 50 gramas de açúcar em pó, para impedir que fiquem oleosas, e por último passam-se pelo peneiro; juntam-se às claras aos punhados e ao mesmo tempo 400 gramas de açúcar e vai-se mexendo. mas só o preciso para misturar. Unta-se exteriormente o fundo de um tabuleiro com manteiga e polvilha-se de farinha; deita-se esta massa a fazer quadrado ou sobre o comprido, da espessura de uma moeda de 500 réis, e vai ao forno. É preciso fazer quatro biscoitos iguais. Tiram-se do forno e enquanto estão quentes, aparam-se dos lados para que fiquem bem certinhos, guardando as aparas.

Creme para o mesmo

Têm-se 6 gemas desfeitas com um colher de água fria, deita-se-lhes 400 gramas de açúcar em ponto de fio a ferver e bate-se bem para engrossar até que arrefeça. Tem-se 575 gramas de manteiga sem sal batida em creme e vai-se-lhe deitando o açúcar com as gemas, continuando a mexer. No caso do creme talhar pode-se-lhe deitar mais um bocadinho de manteiga derretida fria e continua-se a mexer para ligar. Põe-se um biscoito, depois uma camada deste creme e outro biscoito e assim sucessivamente. Barra-se por todos os lados com o resto do creme e deita-se-lhe por cima e pelos lados as aparas que se cortaram, bem picadinhas.

quinta-feira, 3 de março de 2016

Pudim de Arroz

Revista Serões, nº 70, de 1911 - pág. 320


 Pudim de Arroz

Tem esta receita a vantagem de não levar ovos, o que geralmente não sucede com a maioria dos doces, tornando-a por conseguinte muito económica. A perfeição consiste apenas em ser cozido vagarosamente sobre um lume brando, de forma a que o arroz se dilate a ponto de formar à superfície uma espécie de creme tão delicioso que se derrete na boca. É preferível ser feito de leite com nata, mas não podendo obtê-lo junte-se-lhe 15 gramas de manteiga para dois copos (dos de água) de leite. Tenha-se 30 gramas de arroz e 30 gramas de açúcar, e deite-se o leite sobre as duas coisas tendo o cuidado de ver que nenhum grão de arroz fique ao de cima. Em seguida salpique-se com um pouco de canela sobre a superfície, e deixe-se cozer num forno brando por espaço de duas horas.

Existe outra receita de Pudim de Arroz (receita brasileira), aqui.